Siga Nossas Redes Sociais

Rio 2016

“Nosso puxadinho, nosso ouro”. Brasil vence Itália no vôlei masculino

Escrito em

Brasil e Itália não fizeram somente mais uma final para essas Olimpíadas. Esse jogo representou muito mais do que um ouro para o Brasil. Foi o encerramento de uma espera de 12 anos para, outra vez, subir ao lugar mais alto do pódio. Marcou também o encerramento da passagem do líbero Serginho na seleção e também pode ser a última competição com Bernadinho como técnico. Em uma vitória consistente por 3 sets a 0, o Brasil bateu a Itália e conquistou o tão sonhado ouro olímpico. Parciais de 25×22, 28×26 e 26×24.

O jogo começa perigoso para o Brasil. A Itália faz dois pontos logo no início somente com erros brasileiros. O início falho serviu para acordar a seleção brasileira, que começou a encaixar os ataques e a recepção, e assim chegam ao empate em 6×6. Lipe e Bruninho começam a aparecer e ajudam o Brasil a ter a vantagem no placar pela primeira vez no jogo, colocando o marcador em 13×12. Agora a seleção estava mais consistente, era necessário apenas manter o trabalho que daria certo no final.

Faltou combinar com a Itália, pois a azurra começou a apertar e a forçar erros pelo lado brasileiro. Quando o Brasil teve três sets points para fechar o set, os italianos impediram o primeiro, porém, na hora de recolocar a bola em jogo, Zaytsev sacou em seu companheiro e fechou o set para o Brasil, 25×22.

Brasil fechou o primeiro set bem disputado, mas o melhor estava por vir - Foto: Inovafoto

Brasil fechou o primeiro set bem disputado, mas o melhor estava por vir – Foto: Inovafoto

Novamente, o Brasil começou mal no início de um set. A Itália abriu 3 pontos de vantagem e os brasileiros começavam a corrida para empatar e virar o set. O experiente líbero Serginho começou a brilhar e fazer boas defesas, que se tornavam contra-ataques mortais nas mãos o oposto Wallace. Assim, o Brasil tomava a vantagem italiana e ficava à frente do placar em 13×11. Mas era impossível abrir alguma distância tranquila no jogo, pois os italianos complicaram para o lado brasileiro mais uma vez e empataram o set em 20×20.

O Brasil teve o set na mão quando, em um erro de recepção italiano, fez a bola ser passada de graça para o lado brasileiro, mas Lipe se atrapalhou na hora de receber a bola e adiou o fim de set. Quando novamente teve a chance de fechar o set, Lucarelli fez um saque viagem sem força em cima de Boninfante, que não conseguiu receber a bola e deu o set para o Brasil, 28×26.

Lucarelli foi o destaque do segundo set, ao recuperar a bola e colocar o Brasil com distância - Foto: Inovafoto

Lucarelli foi o destaque do segundo set, ao recuperar a bola e colocar o Brasil com distância – Foto: Inovafoto

O terceiro set começou equilibrado, pois nenhuma equipe conseguia impor uma distância no placar. Todo ponto convertido se tornava em empate no placar, tanto que o marcador chegou a 9×9.

A Itália finalmente conseguiu tomar à frente do placar e a mudar o estilo de jogo. O Brasil não ficou atrás, em um bom jogo defensivo do sempre consistente Serginho, e com Wallace inspirado, conseguiram empatar novamente a partida em 17×17. Quando o Brasil parecia estar encaminhado para fechar a partida, a Itália buscou o empate: 20×20.

Era necessário arrumar a casa e, por conta disso, o técnico italiano pediu tempo, o que ajudou a seleção brasileira a se reencontrar, e ponto a ponto foi construindo a vitória. No último ataque de jogo, a bola de Lucão foi para fora com desvio no bloqueio. 26×24 e três sets a 1 para o Brasil.

Jogadores e a torcida comemoraram, mas mesmo assim, o técnico italiano pediu desafio para tentar abafar a festa brasileira. O lance mostrou desvio, o desafio rejeitado e medalha de ouro confirmada para o Brasil.

Bruninho abraça Serginho comemorando o título brasileiro - Foto: Ministério do Esporte

Bruninho abraça Serginho comemorando o título brasileiro – Foto: Ministério do Esporte

A partida marcou a despedida do líbero Serginho. Em entrevista à ESPN Brasil, Serginho confirmou que não vestirá mais a camisa da seleção brasileira. “Foi meu último jogo pela seleção, com certeza. Depende do meu clube, das minhas costas, se eu aguentar mais dois anos está bom”, falou.

Aos 40 anos, Serginho foi agraciado como melhor jogador (MVP) e líbero da Olimpíada.

Continue Reading
Clique para deixar seu comentário

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

P