Na semana da grande decisão do 44º Campeonato Brasiliense de Futebol, edição 2019, o técnico Ricardo Antônio, do Brasiliense, estava na expectativa do julgamento de treze jogadores da equipe para planejar a escalação do jacaré para a partida de volta.

Porém, a Primeira Comissão Disciplinar do Tribunal de Justiça Desportiva do DF, que julgaria nesta quarta-feira (17), a partir das 19h30, o processo 021/2019 referente ao jogo Brasiliense e Paracatu, disputado no dia 7 de abril, decidiu adiar a sessão desta noite. Uma nova data para que sejam analisados os envolvidos será definida.

Com isso, os 13 jogadores do Brasiliense envolvidos no caso estão à disposição do técnico Ricardo Antonio. Quem retorna, após cumprir suspensão, são: o goleiro Edmar Sucuri, o zagueiro Lúcio e o volante Radamés.

ENTENDA O CASO
Foram denunciados os dois times, Brasiliense e Paracatu, além de integrantes das comissões técnicas das duas equipes, 13 jogadores do jacaré e 12 atletas da águia do noroeste.

Brasiliense e Paracatu serão julgados nos artigos 206 (Dar causa ao atraso do início da realização de partida), 213 (Deixar de tomar providências capazes de prevenir e reprimir desordens e invasão de campo) e 257 (Participar de rixa, conflito ou tumulto, durante a partida, prova ou equivalente) do CBJD.

Os jogadores Radamés, Erick Flores, Lúcio, Fernandes, Gabriel, Romano, Welton Felipe, Wallace, Émerson Martins, Peninha, Vitor Mariano, Reinaldo e Mirandinha, do Brasiliense, serão julgados nos 254-A, 257 e 258 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva.

12 atletas do Paracatu (Acerola, Eliomar, Douglas Rato, Pierre, Gustavo Miranda, Magal, Batata, Igor Pato, Maycon Alagoano, Ávine e Gustavo Rocha) também serão julgados, todos pelos acontecimentos relatados na súmula da arbitragem do jogo Brasiliense 3×2 Paracatu no estádio Abadião, na partida de volta das semifinais do Candangão 2019.

Confusão generalizada marcou a semifinal entre Brasiliense e Paracatu no Abadião – Foto: Marco Antônio Tchefy/Agencia EB

Estes artigos preveem punições por praticar agressão física durante a partida, como também, participar de rixa, conflito ou tumulto, durante a partida, prova ou equivalente. Também, invadir local destinado à equipe de arbitragem, ou o local da partida.

O Brasiliense foi derrotado no primeiro jogo da decisão do DF, por 3×1 para o arquirrival Gama. Para ser campeão no próximo sábado, a partir das 16 horas, no estádio Nacional Mané Garrincha, com transmissão da Esportes Brasília, o jacaré brasiliense precisa vencer por três gols de diferença. Já em caso de vitória amarela por dois gols de diferença, a decisão irá para cobranças de penalidades máximas.

O Gama joga com a vantagem de ser derrotado por um gol de diferença para ser campeão.

Compartilhar