Siga Nossas Redes Sociais

Futebol

Sucuri dá o bote e Brasiliense elimina Vitória/ES da Copa Verde

Escrito em

Jogando em casa, o Brasiliense deu sustos aos torcedores, mas não decepcionou. Após um jogo equilibrado e com pênalti perdido pelo Vitória/ES, o Jacaré avançou à próxima fase da Copa Verde após vencer nas penalidades por 5×3. O resultado, no tempo normal, não se alterou, ficando, assim, 0x0. O gol, que pouco passou por aqui nas competições nacionais, teimou em sair novamente, mas, dessa vez, ele sorriu para o Brasiliense.

O goleiro Edmar Sucuri foi a estrela do jogo. Não apenas pelo jogo sem sofrer gol, mas sim, pela defesa que o fez ficar sem ser vazado. Ele viu Ives cometer pênalti enquanto a equipe estava com um a mais e fez a parte dele. “É um trabalho conjunto, trabalhamos muito e hoje eu pude fazer duas defesas que nos deram a classificação”. E, tendo sido eliminado pelo Vitória/ES na Série D, o que será que passou em sua cabeça na hora da penalidade? Ele responde. “Passa um filme ruim na cabeça, a gente com um homem a mais, a única bobeira que a gente deu, a gente sofre uma penalidade. Passa muita coisa ruim, pq a gente sabe que a gente não podia levar o gol, pq a classificação ia embora. Eu consegui me manter frio, concentrar e fazer a defesa”, concluiu.

Após a eliminação da Série D, o anúncio oficial da Copa Verde caiu como uma luva para o Brasiliense. Viriam tempos de jogos e calendário para os atletas que viam um segundo semestre frio de competições. O adversário, o mesmo que semanas atrás havia tirado o sonho do acesso. Dessa vez, sem torcida organizada por conta da confusão na derrota para o Vitória, coube aos 331 torcedores que ali se encontravam fazer a festa.

Sucuri fechou a meta novamente e garantiu a vaga do Brasiliense na próxima fase da Copa Verde. Adversário será o Goiás – Foto: Hugo Barreto/Metropoles

O jogo começou a mil. O Brasiliense tentando achar o gol a todo custo, esse que anda meio brigado com o Jacaré – haviam sido apenas seis nos últimos nove jogos, além de um 0x0 no primeiro jogo, disputado em território capixaba. Romarinho quase marcou no início do jogo, após cruzamento rasteiro de China pela esquerda. O camisa 20 deu um carrinho e a bola passou perto, assustando o goleiro Paulo. Após essa jogada, a partida seguiu tranquila, com correria, sem chance para ambos os lados e com lesões. Jóbson e Aldo, pelo lado dos candangos, e Leonardo precisaram ser substituídos.

Com as mudanças, o Jacaré colocou fogo no jogo. Michel Platini e Ives deram mobilidade e poder de marcação, mas não o gol. O perseguido parecia ainda brigado com o time amarelo e teimava em aparecer. Aos 11 minutos, o tento, com vontade de aparecer, se mostrou a disposição do time de Ricardo Antônio. Isso porque Danrlei deu uma botinada em Romarinho e foi para o chuveiro mais cedo, deixando sua equipe com dez homens em campo.

Mas, se mostrou a disposição, apenas. Após ficar no 11×10, o time da casa tentou, correu, lutou, mas não conseguiu furar o bloqueio do Vitória/ES, que, muito bem postado e com uma defesa forte, se manteve firme e impedia todos os avanços, teimando em manter suas redes intactas. Michel Platini, Romarinho, Maikon Leite, Ives, Peninha. Todos tentaram, mas nenhum teve sucesso.

Quando o Jacaré estava sendo engolido pela Águia, chega Sucuri

Com um a menos, os capixabas lutavam por uma bola. Era fazer um gol, fechar a casinha e esperar o tempo passar para gritar mais uma classificação. E essa oportunidade veio da melhor maneira possível. Aos 28’, contra-ataque rápido da equipe do Vitória/ES. Nilo encontrou bem André, que arrancou, tirou a Ives da jogada e ficou na boa para fazer o gol. Só não fez porque o volante do Brasiliense o puxou pela camisa e o derrubou. Pênalti para os visitantes. Nilo, que havia entrado a pouco, recebeu a responsabilidade de colocar seu time à frente no placar.

E o gol? Ele foi cruel com o Brasiliense na eliminação da Série D, mas pactuou com Sucuri e sorriu para o Jacaré na hora decisiva. Ele pegou a bola, colocou na marca, respirou fundo e bateu. Bateu bem, forte, no canto esquerdo de Sucuri. Mas, concentrado, calmo, o arqueiro amarelo voou mais que a Águia e fez uma linda defesa, conferindo o 0 no placar.

Sem que ninguém conseguisse furar as defesas, muito bem postadas, o jogo continuou sem alterações e as penalidades máximas chegaram. Os batedores estavam indo bem, vencendo os goleiros. Foi assim com Michel Platini, Alex Murici, Ives e China do lado amarelo. Paulo, Thainler e André do lado azul. Mas o Vitor, camisa 10, foi o escolhido. Ele telegrafou o que ia fazer para Sucuri, eu voou e fez outra boa defesa. Ali, só restava Maikon Leite balançar as redes e sair para o abraço. E assim o fez. Outro que cobrou bem e venceu o adversário. Brasiliense 5×3 e classificação garantida.

O próximo adversário, ainda sem data definida, será o Goiás, time da elite do futebol brasileiro. O que se sabe é que o primeiro jogo será em solo brasiliense e o segundo no Serra Dourada.

COPA VERDE – PRIMEIRA FASE
BRASILIENSE 0 (5) x0 (3) VITÓRIA/ES
31/07/2019 – ESTÁDIO SEREJÃO – TAGUATINGA
/DF

Árbitro: Elmo Alves Resende Cunha/GO
Auxiliar 1: Cristhian Passos Sorence/GO
Auxiliar 2: Paulo Cesar Ferreira de Almeida/GO
Quarto árbitro: Luiz Paulo da Silva Aniceto/DF

Cartões amarelos: Danrlei, Paulo (Vitória/ES) David Manteiga, Elcarlos e Peninha.

Cartões vermelhos: Danrlei (Vitória).

Gols: Não teve.

Público: 331 pagantes
Renda: R$ 1880,00

BRASILIENSE
Edmar Sucuri; Alex Murici, Lúcio, Badhiuga e China ; Aldo (Ives), David Manteiga Peninha; Romarinho, Jobson e Elcarlos.
Técnico: Ricardo Antônio

VITÓRIA/ES
Paulo; Cássio, Danrlei, Leonardo e Thainler; Uederson, Rodrigo e Vitor; André, Vitinho e Jarles.
Técnico: Wesley Martinelli.

Gabriel Lima é jornalista e editor executivo da Esportes Brasília. Já cobriu uma Copa do Mundo da FIFA (2019).

Continue Reading
Clique para deixar seu comentário

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

P