Siga Nossas Redes Sociais

Futebol

Hexacampeão do DF, Cresspom desafia Vitória/PE na Copa do Brasil de Futebol Feminino

Escrito em

O Cresspom, único time de Brasília na Copa do Brasil, enfrenta o Vitória (PE) nas duas próximas quartas-feiras (21 e 28). Enquanto que a equipe brasiliense é hexacampeão, a pernambucana é hepta. A equipe da capital do país se credenciou para a disputa da competição devido ao título do Candangão 2015. Após fazer história, as atuais vice-campeãs do estado buscam popularizar o esporte cada vez mais no estado. A partida de ida está marcada para essa quarta-feira, 21, em Pernambuco. O estádio Severino Carneiro recebe os primeiros noventa minutos. O jogo de volta será na capital, com local ainda não definido. O horário dos embates se conservam, 15h (horário de Brasília). O duelo é válido pelas quartas de final.

Localizado no Setor de Clubes Norte, área nobre da capital, o Clube Recreativo e Esportivo dos Subtenentes e Sargentos da Polícia militar do Distrito Federal é o local de treinamento. Alguns jogos são disputado no mesmo espaço. A agremiação se preocupa apenas com o futebol feminino, já que não possui o futebol masculino. O jogo complementar da fase reservou emoções. Com o resultado adquirido na primeira partida, as brasilienses poderiam perder por um gol de diferença, desde que balançasse as redes.

Foi exatamente isso que aconteceu. As visitantes abriram o placar no primeiro tempo, aos dez minutos, com Danyelle. Na etapa final, Ingrid empatou logo aos dois. Se o empate já estava de bom tamanho, passou a estar ainda mais quando Flávia levou o segundo amarelo e foi excluída da partida. O tento que deu esperanças as manauenses foi marcado por Elisa, aos 39. Apesar disso, o resultado seguiu até o final. Com o agregado, o Cresspom se qualificou para enfrentar o Vitória.

O técnico do Cresspom, Róbson Marinho, comanda a equipe desde 2012 e de lá para cá, só cresceu. “Tudo que está acontecendo agora é fruto de um trabalho que já dura quatro anos. Quando eu cheguei, o grupo nunca tinha ganhado um jogo na copa do Brasil. No ano seguinte, jogamos contra o Nacional de Patos-MG e goleamos”, lembrou. Nesse ano, o técnico conseguiu outro feito inédito. Ele conseguiu se classificar para as quartas de final da competição nacional. E quer mais. “Neste ano, conseguimos coroar o trabalho que estamos fazendo e conseguimos passa de fase. Mas já curtimos a classificação. Nesse ano, vimos que nossa formação nos permite chegar mais alto e que podemos pensar em disputar a final”, completou.

O treinador destaca o poder individual das comandadas. “A gente tem trabalhado muito em espaço reduzido para favorecer a posse de bola. O time tem uma boa noção de posicionamento e tem duas armadoras que trabalham muito bem na chegada das artilheiras. Então nós temos jogadoras capacitadas para definir o jogo”. Apesar disso, garante que o jogo coletivo ainda está acima. “Nós temos excelentes jogadores. Inclusive, que já jogaram fora do país. Não vejo o conjunto com um destaque apenas, acredito que o jogo coletivo é o que nos faz vencer as partidas”, explicou. Ele acredita que, na segunda fase, o Iranduba tenha se surpreendido com a postura de seu pessoal. “O Iranduba é um excelente time e nós conseguimos, com a parte tática, com a parte física, fazer uma grande exibição. Na realidade, eu acredito que eles ficaram ate surpresos pelo quilate da equipe do Cresspom”, disse.

Com a disputa da Copa do Brasil, a rotina de treinamentos do plantel também se configura de maneira especial. O integrante da comissão técnica alia descanso a treinamento duro. “Como o jogo foi na sexta, nós faremos apenas um trabalho regenerativo para as atletas que jogaram o tempo inteiro e trabalho forte para aquelas que não atuaram”, expressou. Mesmo com o tempo curto, as jogadoras não podem parar. “Apesar do cansaço, não podemos deixar de treinar o físico e a parte tática”, inteirou. O jogo, marcado para as 15hrs, horário de Brasília, também não agrada Marinho. “Já me falaram que lá está muito quente. Essa vai ser uma das dificuldades que enfrentaremos porque as adversárias já estão acostumadas com isso”, falou.

A goleira e capitã do Cresspom, Mariel, por ser uma das mais experientes, defende o time desde 2010, tenta manter a calma das companheiras. “Eu tento passar a maior tranquilidade possível, tentar fazer com o que nosso poder coletivo funcione independente do individual. Tento passar tranquilidade, mesmo que a gente saia atrás no placar, porque o jogo tem 90 minutos”, inteirou. Assim como o comandante, ela destaca o poder de cada atleta. “A gente tem uma equipe com poder individual muito bom, a qualquer momento uma jogadora que pode decidir. Claro que não menosprezando o coletivo, mas acho que o nosso ponto mais forte é o individual de cada atleta.”

Gabriel Lima é jornalista e editor executivo da Esportes Brasília. Já cobriu uma Copa do Mundo da FIFA (2019).

Continue Reading
Clique para deixar seu comentário

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

P