Siga Nossas Redes Sociais

Futebol

Em busca do sonhado título, Paracatu quebra tabu e derrota o Brasiliense

Escrito em

Paracatu x Brasiliense

Diante de mais de três mil torcedores na noite desta quarta-feira (3), o Paracatu venceu o Brasiliense por 1×0, saiu na frente por uma vaga na decisão do Candangão e quebrou um incômodo tabu: essa foi a primeira vitória do time mineiro contra o Jacaré desde que mudou de nome e cidade, em 2014. O tento de Leandro Aguiar mantém vivo o sonho dos mineiros de disputarem a primeira final no campeonato local. Já o Brasiliense, que sofreu apenas um gol durante toda a primeira fase, foi vazado pela terceira vez no mata-mata e terá que vencer no próximo domingo (7) para ir à decisão.

Um dos destaques da partida, o zagueiro Breno comemorou a vitória. “Jogamos bem, a gente não sofreu em nenhum momento. Mas a gente sabe que não tem nada definido, temos que continuar jogando desse jeito para poder sair com a classificação”, disse o beque. Diego Nogueira, outro nome destacável, ressaltou a presença da torcida. “Nós só temos a agradecer [a torcida]. Eles são o nosso 12º jogador”, completou.

Primeiro tempo

A primeira etapa foi favorável para o Paracatu, que procurou mais o gol, assustou mais. Foram premiados após duas grandes chances criadas. Aos cinco minutos de jogo, Danilo Itaporanga recebeu na ponta esquerda, deixou o marcador no chão, puxou a bola para o meio e arriscou de fora da área. A bola passou raspando no ângulo esquerdo de Sucuri. Quase um golaço do lateral esquerdo do Paracatu.

E foram os mineiros que assustaram novamente aos 13’. Davi fez boa jogada pela esquerda e cruzou. Rychely, no meio da área, não conseguiu pegar em cheio, mas mesmo assim a bola perto, assustando o goleiro do Brasiliense.

De tanto buscar o gol, o Paracatu alcançou. Aos 44 minutos de jogo, time desceu à defesa do Brasiliense pelo lado direito. Rychely chutou para o gol, Edmar Sucuri fez a defesa e a bola caiu nos pés de Leandro Aguiar. O camisa 9 dominou e chutou. A bola ainda desviou na zaga e impediu a defesa do arqueiro do Jacaré: Paracatu 1×0 Brasiliense.

Segundo tempo

As duas equipes repetiram o roteiro da primeira parte do jogo e continuaram com um jogo estudado. O Brasiliense, com a desvantagem no placar, tentava o empate, enquanto o Paracatu mantinha postura e atacava, empurrado pela torcida. Aos 16 minutos, quase o segundo gol dos mineiros. Danilo Itaporanga cobrou falta forte, no ângulo do goleiro Sucuri. O camisa 1 voou para fazer uma belíssima defesa, jogando a bola para escanteio.

Com o regulamento debaixo do braço, o Paracatu seguiu sólido, sem grandes riscos de sofrer o empate, e em busca do gol, que daria maior tranquilidade para o jogo de volta. Aos 43’, Davi recebeu a bola, segurou e chutou colocado no canto de Sucuri. A bola desviou na zaga e saiu em escanteio.

Melhor na partida, os donos da casa seguiram pressionando o Brasiliense. O goleiro Gabriel, assim como todos que acompanhavam o jogo nas arquibancadas, era um torcedor. Já o Sucuri, arqueiro do Brasiliense, continuava fazendo milagres para impedir um prejuízo maior. Aos 46’, Leandro Aguiar fez linda jogada e rolou para Diego Nogueira. O camisa 11 chutou para outra defesa plástica do goleiro amarelo.

Melhor em campo, o Paracatu fez por merecer e saiu com o resultado positivo, mas poderia ter feito ainda mais, se não fosse o goleiro Edmar Sucuri, grande nome desse primeiro jogo de ida entre as duas equipes. Resultado final: Paracatu 1×0 Brasiliense. Vantagem confirmada para a Águia do Noroeste.

A partida decisiva será disputada no próximo domingo (7) às 15h30, no estádio Abadião. O vencedor encara Gama ou Real na decisão.

CANDANGÃO 2019 – SEMIFINAL (IDA)
PARACATU 1×0 BRASILIENSE
03/04/2019 – ESTÁDIO FREI NORBERTO – PARACATU-MG

Arbitragem: Gildevan Lacerda
Assistentes 1 e 2: Luciano Benevides e Lucas Modesto
Quarto árbitro: Marcos Antônio

Público: 3.618 pagantes
Renda: R$ 12.600,00

Cartões amarelos: Leandro Aguiar (Paracatu), Emerson Martins (Brasiliense)

Gol: Leandro Aguiar, aos 44 minutos do primeiro tempo.

PARACATU
Gabriel; Henrique, Breno, Hícaro e Danilo Itaporanga; Acerola, Davi, David Manteiga e Rychely (Igor Rato); Leandro Aguiar e Diego Nogueira (Batata)
Técnico: Buião

BRASILIENSE
Edmar Sucuri; Alex Murici, Welton Felipe, Badhuga e Gleissinho; Radamés, Emerson Martins e Morais (Almir); Peninha (Erick Flores), Maikon Leite e Reinaldo (Romarinho).
Técnico: Adelson de Almeida

Gabriel Lima é jornalista e editor executivo da Esportes Brasília. Já cobriu uma Copa do Mundo da FIFA (2019).

Continue Reading
Clique para deixar seu comentário

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

P