Siga Nossas Redes Sociais

Futebol

“Ceilândia quer voltar a jogar à noite no Abadião”, afirma presidente do Gato em podcast

Escrito em

Foto: Reprodução/YouTube

O presidente do Ceilândia, Ari de Almeida, participou na noite desta terça-feira (04) do podcast QiZero, onde respondeu uma série de perguntas sobre a atual situação do Gato Preto.

No primeiro momento do papo, foi perguntado ao dirigente sobre as categorias de base e presidente alvinegro fez uma importante previsão, pra lá de otimista: quer chegar fazendo frente a grandes potências locais de base.

‘’Um projeto novo que está engatilhando, está iniciando, que é a categoria de base. Hoje nós temos todas as categorias. Marcelo [Rodrigues] coordena isso, tá coordenando bem, estamos muito tranquilo que nesses anos iniciais automaticamente nós não vamos ter uma categoria de base de alto rendimento, mas nós daqui a três anos, se tudo ocorrer dentro de uma normalidade, a gente acha que daqui a três anos já vamos estar dentro das duas principais categorias, que é o juniores e juvenil, fazendo frente a Gama, Brasiliense, Capital, Legião e Canaã, que são mais organizados nessas categorias. É um projeto novo”, disse Ari.

Um dos percalços do Gato Preto é não ter a própria casa. O estádio Abadião, em Ceilândia, é de propriedade governamental. No entanto, Ari esclarece que pretende realizar melhorias no local visando a temporada 2025.

“Até o início de ano, o Ceilândia era responsável pelo Abadião. As pequenas reformas sempre foi o Ceilândia que fez. O gramado que tem lá hoje, o Ceilândia colocou em 2006. Precisou fazer bilheteria e banheiros novos, o Ceilândia fez. A partir desse ano a secretaria de Esporte, em conversa com o Ceilândia, pegou o Abadião para cuidar,. O combinado é: a secretaria fazer os investimentos, e a prioridade é arrumar a iluminação do Abadião para levar os jogos a noite. O Ceilândia tem muita vontade de jogar na cidade à noite, e nós estamos trabalhando muito essa questão junto a secretaria de Esporte”, ressaltou.

Ainda sobre reformas na praça esportiva, Ari de Almeida falou sobre as prioridades: “A prioridade nossa é iluminar o Abadião de imediato, ampliar o anel de trás para colocar três ou quatro mil torcedores e melhorar a tribuna de imprensa. No futuro, o Ceilândia pensa em fazer uma PPP (parceria público-privada) e pegar o estádio para o clube, só que isso é um projeto complexo porque a área do estádio é muito pequena”, complementou.

Adelson fica?

Em entrevista recente ao programa Tá Na Rede, da TV Câmara Distrital, o técnico do Ceilândia, Adelson de Almeida, disse que não ficaria no cargo para 2025. Ari, irmão de Adelson, garantiu que outra prioridade é seguir com o técnico com mais 300 jogos no comando do Gato Preto.

“A prioridade do Ceilândia é manter o Adelson. O Adelson tem dito que não quer e que parou, mas a minha vontade como presidente é manter o Adelson como treinador e vou priorizar essa conversa com ele nos próximos dias. Vou fazer como tenho feito com ele: a apresentação é tal dia e você estará lá. Se ele manter essa situação de que não quer nós vamos partir para outro nome”. Ari de Almeida também frisou que não trabalha com a possibilidade de não ser ele, Adelson, o técnico para a próxima temporada.

Falando em próxima temporada, Ari foi enfático sobre a situação do elenco do Gato Preto para as disputas das competições nacionais e locais em 2025: “Eu não tenho dúvidas que desse time que foi campeão nos vamos ter uma boa base dele. Do time titular nos vamos ter uns seis jogadores que vamos continuar. Ano que vem é montar um time muito forte, deixar uma base dos atletas deste ano e ver quais são as outras peças que vamos precisar para se reforçar. Vamos trabalhar para ganhar o candangão”, garantiu o dirigente.

Quando perguntado pelo público sobre a situação contratual do atacante Romarinho, atualmente emprestado ao Manauara/AM, Ari de Almeida disse que o camisa 20 do Gato Preto fica para 2025:

“A situação do Ceilândia com o Romarinho está bem caminhada. Pode até ser que o Ceilândia não tenha o Romarinho ano que vem, mas se não tiver, é porque ele foi para algo muito melhor. Se o Romarinho estiver em Brasília, vai estar no Ceilândia”, afirmou Ari.

SAF

Ao ser questionado sobre o modelo associativo atual, o presidente do Gato Preto comentou que o clube vai se tornar uma Sociedade Anônima do Futebol até 2025 e se inspirou em um gigante do futebol para tal realização:

“O Ceilândia vai virar SAF esse ano ainda ou no começo do ano que vem. A assembleia da Ceilândia no ano passado aprovou a criação da SAF. A ideia é a seguinte: nós vamos transformar a SAF primeiramente no modelo do Fortaleza. Qual é o modelo do Fortaleza? Criou-se a SAF, mas a SAF é do time. Então, nós vamos criar a empresa que vai gerir o departamento de futebol, mas ela é do Ceilândia. Em um segundo momento, que aparecerem investidores ou alguém interessado, a gente refaz as conversas”, finalizou.

P