Siga Nossas Redes Sociais

Basquete

Lesão, goteiras e derrota: Uma segunda-feira para riscar da agenda do Universo/Brasília

Escrito em

Os 571 torcedores que compareceram ao Ginásio da Asceb na noite desta segunda, com certeza não estariam lá se soubessem do duro roteiro que os esperava. Além da derrota de 92×87 para o Rio Claro, os brasilienses presenciaram muitos erros do Brasília, uma grave lesão que, praticamente, tira ala/armador Gui Santos do restante da temporada.

O Brasília começou o jogo a mil. O veterano Arthur, grande destaque da equipe nos últimos jogos, aproveitou a saída de bola e colocou o Brasília a frente no placar com cinco segundos de jogo. Parecia que tudo ia caminhar bem para os donos da casa. Apenas parecia.

Passados 1:19 no relógio, veio a grave lesão de Gui Santos. Após uma disputa de bola no garrafão ofensivo, o Ala levou a pior na dividida. O joelho do camisa 3 aparentava estar fora do lugar. O semblante de todos os jogadores, além de todos aqueles que se aproximavam do atleta, era de dor. Ele, inclusive, levantou com ajuda, saiu com a articulação imobilizada e foi direto para uma clínica realizar exames de imagem, que constataram uma lesão no tendão patelar, com suspeita de rompimento. O boletim médico será divulgado nesta terça-feira.

Passado o susto, o Brasília suou muito para sair com um ponto a frente no placar no quarto. Com Ruiz brilhando pelo lado do Rio Claro e um quinteto bem participativo do lado do Brasília, o primeiro período acabou em 22×21 para os brasilienses.

No segundo, não só Ruiz brilhou, como Sadhi e Pastor começaram a aparecer. Guarde muito bem o nome do primeiro, é dele que reclamar no final da matéria. Os três carregaram a equipe do paulista nas costas e, com 25 pontos, venceram o jogo para o Rio Claro – você vai entender esse motivo mais para o final – e colocaram a vantagem em sete, 48×41.

Ai veio o intervalo. Vendo o seu time errar muito, principalmente defensivamente, Ricardo Oliveira apelou para o seu time. “Eu pedi para eles diminuírem a quantidade de erros. Quem erra muito, dá muitas oportunidades para o time adversário”. O Brasília ouviu e foi buscar o empate. Novamente Arthur, e agora Ronald, foram os cestinhas pelo lado do Brasília e ajudaram a diminuir a desvantagem para cinco pontos.

Foi aí que veio uma forte chuva nos arredores do Ginásio da Asceb. Algumas goteiras também presenciavam a derrota do Brasília. Os donos da casa estavam três pontos atrás. Sahdi, ele mesmo, já havia marcado oito pontos para o Rio Claro, enquanto o Brasília revezava seus pontos em Rafa Moreira, Nezinho e Ronald.

Foi aí que uma daquelas goteiras resolveu parar o jogo. Próximo ao grande círculo central, caía água e a partida teve de ser paralisada. Enquanto uma pessoa enxugava, Pedrinho Rava correu até seu banco de reservas, pegou uma toalha e foi ajudar a secar o piso. Afinal, ainda faltavam três pontos para o Brasília empatar o jogo.

E o que vimos depois dali foi um time tentando muito o empate, mas errando bastante, e um certo estadunidense. Ele, simplesmente, resolveu colocar o jogo no bolso e guardar para ele. Baxley anotou quinze, QUINZE, pontos no último quarto e garantiu a vitória do Rio Claro, que continuou na décima colocação.

Já o Brasília, caiu para a 13ª colocação e agora fica fora da zona de classificação dos para os playoffs.

O próximo jogo do Universo será na próxima sexta-feira, às 21h10, aqui mesmo no Ginásio da Asceb, contra o Flamengo, líder do NBB. Mesmo sendo mando de quadra do time carioca, o Urubu é obrigado a mandar jogos aqui por conta da parceria com o BRB.

O Rio Claro volta a São Paulo e recebe o São José, 15º na tabela do Novo Basquete Brasil, no mesmo dia, porém, às 20h.

Gabriel Lima é jornalista e editor executivo da Esportes Brasília. Já cobriu uma Copa do Mundo da FIFA (2019).

Continue Reading
Clique para deixar seu comentário

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

P