Você leu aqui na Esportes Brasília que Alisson Guirra deixou o cargo de gerente de futebol do Brasiliense, três dias após ter sido contratado. Em contato com a reportagem da EB, Alisson explicou o ocorrido.

“No primeiro contato com o pessoal da diretoria do Brasiliense, eu fui chamado para ser o gerente de futebol do time. No entanto, nesses três dias, não podia tomar decisões, nem indicar jogadores. Levei o nome de 16 atletas para que pudessem olhar. Então, não estava podendo exercer minha função. Não me deixaram fazer o que eu sei fazer, que é ser gerente de futebol”, revelou Alisson.

Questionado então sobre quais seriam as funções que exerceria no Brasiliense, Alisson explicou que deveria trabalhar, possivelmente, com a área de logística, sem – efetivamente – ser um gerente de futebol. “Pra quem está na imprensa, quem manda embora e quem contrata somos nós, os gerentes. Essa não era a intenção deles. A cabeça deles é outra”, disse.

Alisson, que já foi volante de times como Vila Nova-GO, Itumbiara-GO, Brasiliense, Paysandu-PA, Caxias-RS, Macaé-RJ, e o próprio Paracatu, tem 18 anos de futebol e queria trazer essa experiência para o jacaré. “Eu tenho certeza que sou competente porquê tenho esse tempo todo de futebol. Tenho certeza que poderia subir, ao lado do professor Ricardo Antônio, o Brasiliense para a Série C. Não existe interferência, mas quem contrata é o presidente que está lá. Como não podia trabalhar assim, preferi pedir para ir embora”, desabafa.

Alisson vestiu a camisa do Caxias em 2012 – Foto: Porthus Junior/Agência RBS

Torcida pelo técnico e futuro indefinido
Durante a entrevista para a EB, Alisson fez questão de falar sobre o papel da contratação do técnico Ricardo Antônio pelo Brasiliense para a Série D. “O ambiente é muito bom. O Ricardo [Antônio] está de parabéns. A comissão também. Ele conseguiu resgatar todo o elenco. Ele é uma boa pessoa, além de ser conhecedor do futebol. Estou torcendo para que eles subam para a série C”, disse o dirigente.

Questionado se um dia voltaria a trabalhar no Brasiliense, Alisson garante não ter mágoas, mas é precavido. “A gente sabe que é muito difícil de, um dia, voltar a trabalhar lá, já que não posso fazer o que penso de futebol. Assim, preferi seguir meu caminho”, finalizou.

Alisson ainda não assinou com nenhum clube para ser gerente de futebol. Contudo, garantiu à reportagem da EB que tem propostas de outras equipes para assumir o cargo de dirigência. Só não quis revelar quais equipes.

Eleito o melhor gerente do Candangão 2019, Alisson Guirra deixa o Brasiliense após três dias contratado – Foto: Lucas Bolzan/Brasiliense FC

Vale lembrar que Alisson foi punido pelo TJD/DF pelas confusões no jogo entre Brasiliense e Paracatu, pela semifinal do Candangão 2019, e terá que cumprir uma suspensão de 45 dias em torneio local, além de ter sido multado em R$ 1000,00.

O Brasiliense volta a campo nesta segunda-feira (13), às 19h, no estádio Zama Maciel, em Patos de Minas/MG. O adversário será a URT, pela segunda rodada do Brasileirão Série D, com transmissão da EB.

Compartilhar