Siga Nossas Redes Sociais

Vôlei

Rexona/Ades bate Praia Clube e fatura 11º título da Superliga Feminina

Escrito em

Na manhã deste domingo (3), aconteceu a grande final da edição 2015/16 da Superliga Feminina, no ginásio do Nilson Nelson. Rio de Janeiro e Praia Clube de Uberlândia se enfrentaram na luta pelo titulo da competição. Jogando diante de um público de mais de dez mil pessoas, a equipe carioca sagrou-se campeã ao vencer por três sets a um, com parciais de 25×18, 26×28, 28×26 e 28×26, em 2h16min.

A jogadora Gabi, do Rio de Janeiro, foi a maior pontuadora da partida com 21 pontos. Natália foi eleita a melhor jogadora da final e ficou com o Viva Vôlei. No entanto, o troféu ficou de posse de Monique Pavão, um presente dado por Natália.

Jogadoras do Rexona/Rio de Janeiro comemoram o título conquistado em Brasília - Foto: Marcos Dutra/Agência EB

Jogadoras do Rexona/Rio de Janeiro comemoram o título conquistado em Brasília – Foto: Marcos Dutra/Agência EB

O JOGO
No primeiro set, a tensão estava no ar e as duas equipes começaram trocando pontos e efetivas bolas no bloqueio, mas a equipe carioca saiu em vantagem no primeiro tempo técnico pela vantagem mínima de 8×6. Depois da parada, o Rio de Janeiro impôs uma boa sequência e abriu 12×8, forçando o técnico do Praia Clube, Ricardo Piccinin, a parar o jogo.

Depois do tempo técnico, o Praia Clube recuperou parte da desvantagem. Mas após a segunda parada técnica, o Rio de Janeiro fez a defesa funcionar e a equipe mineira parou de rodar a bola, fazendo com que a vantagem aumentasse para 19×13. O Praia Clube não conseguiu a reação e a equipe carioca fechou o primeiro set por 25×18, em 31 min. Natalia, com sete pontos, foi a maior pontuadora do set. Pelo Praia, Walewska e Daymi, com quatro pontos cada, foram as destaques.

Jogo foi disputado do começo ao fim. Melhor para o Rexona/Rio de Janeiro, que conquistou o eneacampeonato - Foto: Marcos Dutra/Agência EB

Jogo foi disputado do começo ao fim. Melhor para o Rexona/Rio de Janeiro, que conquistou o eneacampeonato – Foto: Marcos Dutra/Agência EB

No segundo set, o Rio de Janeiro aproveitou o embalo da vitória do primeiro set e, juntando com os erros do Praia Clube, abriu 5×0 no placar. Desesperado, Piccinin parou o jogo novamente. A bronca deu certo e o time uberlandense começou a mostrar reação em um ponto de bloqueio de Alex. Com isso, o Praia chegou ao empate em 8×8. A parcial continuou com as duas equipes trocando pontos até na hora mais importante do set.

A equipe carioca contou com uma atuação de gala da libero Fabi e, com uma sequência de defesas, o Rio de Janeiro abriu 23×20. Com a entrada da Pri Daroit no lugar de Michelle, o Praia conseguiu uma virada incrível fechando o set por 28×26, em 36 min. Monique, pelo Rio, e Daymi, pelo Praia, com seis pontos, foram as maiores pontuadoras do set.

Mais de dez mil pessoas compareceram ao Ginásio Nilson Nelson para acompanhar a grande final da Superliga Feminina - Foto: Carlos Teixeira/Agência EB

Mais de dez mil pessoas compareceram ao Ginásio Nilson Nelson para acompanhar a grande final da Superliga Feminina – Foto: Carlos Teixeira/Agência EB

No terceiro set, quem veio embalado foi o Praia. Depois da virada no set anterior, a equipe mineira mostrou porque era finalista da Superliga. Jogando solto e com alegria, a equipe do triângulo foi muito eficiente em praticamente todos os fundamentos e foi encurralando a equipe carioca, que sentiu a pressão dentro de quadra.

Muito forte na relação ataque e bloqueio, o Praia chegou a ter uma vantagem de 19×12 no set. A vantagem seguiu até o final da parcial, quando quem reagiu foi a equipe carioca, empatando o placar em 24×24. O Rio de Janeiro conseguiu a virada e fechou o set por 28×26, depois de um ponto de bloqueio de Roberta, em 35 min. Gabi, pelo Rio, com nove pontos, e Alex, do Praia, com 10 pontos, foram as maiores pontuadoras do set.

No quarto set, o emocional mais uma vez pesou. Depois da virada no set anterior, o Rio de Janeiro abriu 6×2 no marcador. O Praia começou uma reação e chegou ao primeiro tempo técnico com a vantagem de 8×5. Em um set com poucos erros, prevaleceu o bom jogo das duas equipes. A equipe mineira jogou o set inteiro na desvantagem, mas sem deixar as cariocas abrirem uma diferença superior a três pontos. Na segunda parada técnica, o placar estava em 16×13 para as “donas da casa”.

O set seguiu igual até o final quando o Praia teve a chance de fechar o jogo, colocando 24×23 no placar. No entanto, o Rio de Janeiro empatou o jogo e seguiu em busca da vitória. O ponto do titulo ficou com a central Carol e as cariocas fecharam o set por 28×26, em 34min, para levar o eneacampeonato para o Rio de Janeiro.

Ana Paula Freire é formada em jornalismo pela Universidade Católica de Brasília e tem na bagagem a cobertura dos Jogos Olímpicos de Londres 2012.

Continue Reading
Clique para deixar seu comentário

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

P