Após a vitória por 2×1 frente ao Samambaia, dando o título de campeão da segunda divisão do DF ao Bolamense (clique aqui e leia mais), os jogadores dos dois times falaram ao microfone da Esportes Brasília sobre a partida.

O goleiro Márcio Fernandes era só sorriso no rosto. Eleito pela transmissão da Esportes Brasília como o melhor em campo, o camisa 12 do Bolamense enalteceu a força do time e relembrou episódio vivido em 2011. “Era um trabalho que ninguém acreditava. Em 2011 aconteceu a mesma coisa no Brazlândia, ninguém dava a gente como favorito nem ao acesso e nem ao título e graças a Deus conseguimos subir. Hoje, mais uma vez, Deus honrou o trabalho. Deus honra quem trabalha”, afirmou o goleiro.

Goleiro do Bolamense, Márcio Fernandes foi eleito como o melhor em campo na transmissão da Esportes Brasília - Foto: Marco Antônio Tchefy/Divulgação
Goleiro do Bolamense, Márcio Fernandes foi eleito como o melhor em campo na transmissão da Esportes Brasília – Foto: Marco Antônio Tchefy/Divulgação

O centroavante Michel Platini revelou que o técnico Marquinhos Carioca o convenceu a ficar no Bolamense para a conquista do título. “O Marquinhos foi um cara que me convenceu a jogar aqui no Bolamense e a não desistir, disse que precisava de mim. Espero que no ano que vem, o Bolamense consiga formar um bom time. Não adianta subir e formar um time mais ou menos e daqui a pouco cair de novo”, afirmou Platini.

Já o atacante Kelvin lamentou os vacilos do Samambaia na final. “Melhor campanha não adiantou de nada, né. Valeu pelo acesso, o grupo tá de parabéns, mas a gente vacilou. Pecamos na final, onde não podia errar”, afirmou o jogador do Samambaia.

Kelvin revela que o time da Cobra Cipó não deve ser o mesmo em 2018. “Acho meio difícil (manter o elenco), pois tem gente que tem outros rumos, outros clubes. Mas vamos ver o que vai acontecer daqui pra frente”, afirmou.

Bolamense vence Samambaia de virada por 2x1, com gol no último minuto - Foto: Marco Antônio Tchefy/Divulgação
Bolamense vence Samambaia de virada por 2×1, com gol no último minuto – Foto: Marco Antônio Tchefy/Divulgação

Perguntado sobre o futuro, Kelvin diz que espera ter oportunidade de alçar voos maiores na carreira pessoal. “Se não aparecer nada (fora de Brasília) eu fico, mas a vontade é de abrir novos caminhos pelo futebol afora. Mas se tiver que continuar, continuo aqui em Brasília, sim”, concluiu.

Compartilhar