Depois de encerrar a participação na série D do brasileiro, após a eliminação para o América/RN na semana passada, o técnico do Ceilândia, Adelson de Almeida, fez uma análise do desempenho da equipe

“Acho que fizemos um bom papel e ficamos bastante conhecidos pelo menos no Centro Oeste brasileiro. Agora é já pensar em 2018. Os jogadores que foram destaque conosco neste ano, e tem seus contratos se encerrando, com certeza estão sendo procurados por outras equipes. Cabe a nós é começar a montagem do elenco para o ano que vem”, disse Adelson de Almeida, em entrevista à TV Globo.

Sobre a permanência ou não no Ceilândia, Adelson explicou que aguarda definições: “Com certeza devo permanecer no clube. Não sei como treinador, mas até mesmo como um diretor do clube na área de gestão”, afirma.

Onde está o torcedor?
O gato preto de Ceilândia teve prejuízos financeiros na sua participação de jogos no estádio Abadião. “Temos que montar um Ceilândia forte. Irmos à busca do título candango e conquistar boas campanhas para que o torcedor então possa a voltar a nos dar apoio no estádio”, encerrou Adelson de Almeida.

Os destaques da campanha do Ceilândia em 2017, caso do zagueiro Badhuga e do meio campista Filipe Cirne, podem estar à caminho do Brasiliense, igualmente como fez o atacante Romarinho, artilheiro do Candangão pelo Ceilândia. O atleta está por empréstimo na Portuguesa, em São Paulo.

Compartilhar