Representantes de oito clubes do futebol candango estiveram na sede da Federação de Futebol do Distrito Federal na tarde desta segunda-feira (09) para definir as normas e o sistema de disputa da Segundinha 2019, a 33ª edição da série B do Campeonato Brasiliense.

Cada clube teve que apresentar os documentos oficiais que os habilitam para participar da competição, como nada-consta junto à Tesouraria da Federação e do Tribunal de Justiça Desportiva do Distrito Federal.

Compareceram ao encontro representantes de Brasília, Brazlândia, Ceilandense, CFZ Brasília, Legião, Paranoá, Planaltina e Samambaense. Estiveram ausentes dirigentes de ARUC, Botafogo/DF, Cruzeiro e Samambaia.

Estádios

De acordo com Màrcio Coutinho, diretor de futebol da FFDF, apenas três estádios estão habilitados para receber partidas da Segundinha: Mané Garrincha, Augustinho Lima, em Sobradinho, e Serejão, em Taguatinga.

Os laudos devem ser solicitados para as administrações. Os procedimentos para obter os documentos foram entregues aos dirigentes, sendo que, para cada partida, devem ser obtidos laudos e alvará eventuais. Os clubes têm até 35 dias antes da competição para poder indicar os estádios.

Fórmula de disputa

O campeonato começará em 24 de agosto, uma semana após a decisão do Candangão Juniores. Somente dois times não confirmaram presença nesta edição da Segundinha: ARUC e Samambaia.

Os dez clubes jogarão no sistema de pontos corridos, jogando todos contra todos em turno único. Os dois primeiros ascendem à primeira divisão de 2020. A última rodada está marcada para o dia 19 de outubro.

Os jogadores devem ser inscritos no BID até o dia 22 de agosto para poder estrear na competição. As inscrições podem ser feitas até o início da sexta rodada, marcada para o dia 03 de outubro. Cada time pode ter até cinco estrangeiros e até cinco jogadores de juniores.

Confira a primeira rodada da Segunda Divisão 2019:

Brazlândia x Legião
Paranoá x CFZ Brasília
Brasília x Planaltina
Botafogo-DF x Cruzeiro
Ceilandense x Samambaense

Maior transparência

Daniel Vasconcelos, presidente da FFDF, garantiu aos dirigentes na reunião que não aconteceram mais empréstimos por parte da Federação para nenhum clube do futebol candango. Além disso, a entidade máxima do futebol brasileiro implementou o sistema de automação de registro de jogadores, fazendo com que haja uma maior transparência nos trabalhos.

“A CBF implementou o sistema de gestão dentro da Federação. Ou seja, tudo é gerado agora automaticamente para pagamento. Assim, vamos colher os frutos de sermos mais profissionais”, ressaltou o presidente.