Na tarde desta quarta-feira (28), Brasiliense e Paracatu empataram em 0x0 no Mané Garrincha. Foi um jogo extremamente disputado, com muitas faltas, cartões e reclamações dos dois lados. Não teve gol, teve dedicação.

No primeiro tempo, cada espaço era bem disputado pelos jogadores. Todo mundo estava bem ligado, para não deixar o adversário chegar com perigo. Por isso, poucos lances de ataque.

Pode-se destacar o chute de Peninha que passou rente à trave aos 27 minutos e a boa jogada individual de Paulo Renê aos 36 minutos, mas nada que exigisse tanto dos goleiros Sucuri e Vinícius.

Primeiro tempo foi pra lá de disputado, mas o placar não saiu do zero a zero - Foto: Fernando Godoy/Agência EB
Primeiro tempo foi pra lá de disputado, mas o placar não saiu do zero a zero – Foto: Fernando Godoy/Agência EB

Se a primeira etapa foi disputada, a segunda foi ainda mais. Prova disso foi a falta forte de Radamés no artilheiro Paulo Renê. O árbitro deu o segundo amarelo e expulsou o volante.

O jogo seguiu com muita disputa de bola acirrada, muitas faltas, muitos cartões amarelos, muita reclamação dos dois lados, mas gol que é bom… Nada! Pelo menos raça não faltou.

Antes do fim do jogo, ainda deu tempo para uma polêmica. Após bola lançada na área, o juiz marcou pênalti no atacante Assisinho. Porém, o bandeirinha assinalou o impedimento de Nunes e o árbitro invalidou o lance. E assim terminou o duelo: com a galera do Jacaré na bronca, Brasiliense 0x0 Paracatu.

Na reta final de jogo, o Paracatu ainda tentou arriscar mais uma vez, mas o placar não mexeu no Mané Garrincha - Foto: Fernando Godoy/Agência EB
Na reta final de jogo, o Paracatu ainda tentou arriscar mais uma vez, mas o placar não mexeu no Mané Garrincha – Foto: Fernando Godoy/Agência EB

No fim da partida, a Esportes Brasília falou com Assisinho, que sofreu o pênalti. Perguntado sobre o lance, o atacante usou as frases clichês. “Acho que foi pênalti em cima de mim, mas o bandeirinha disse que o Nunes estava impedido. Faz parte do jogo. Agora é descansar, porque domingo tem mais”, comentou o atacante.

O técnico Gauchinho também falou com a equipe da EB. Perguntado se a equipe do Paracatu já está pronta para o mata-mata, Gauchinho disse que não e explicou o porquê. “(A equipe) não tá pronta. Tô jogando com os laterais improvisados. Contratamos o Diogo Silva, lateral direito que deve estrear no próximo jogo. O Anderson Oliveira faz muita falta, é um jogador diferenciado. Então, a gente tem muito problema, mas mesmo com os problemas, a gente se defende muito bem, mas para almejar alguma coisa, temos que jogar mais”, declarou o comandante.

Na próxima rodada, a penúltima da primeira fase, o Brasiliense acorda cedo no domingo (4) para enfrentar o Sobradinho no estádio Augustinho Lima, às 11h. Também no domingo, o Paracatu continua em Brasília para enfrentar o Ceilândia no Abadião, às 15h30.

CAMPEONATO BRASILIENSE – 9ª RODADA
BRASILIENSE 0-0 PARACATU
28/02/2018 – ESTÁDIO MANÉ GARRINCHA – BRASÍLIA/DF

Público: 392 pagantes
Renda: R$ 1.337,00

Cartões amarelos:
Radamés, Nunes, Fabinho, Assisinho (Brasiliense)
Daniel Vargas, Humberto (Paracatu)

BRASILIENSE
Edmar Sucuri; Patrick, Badhuga, Preto Costa, Mário; Aldo, Radamés, Filipe Cirne (Fabinho); Peninha (Gabriel), Romarinho (Assisinho), Nunes.
Técnico: Ailton Ferraz

PARACATU
Vinícius; Vitor Melo, Breno, Humberto (Taison), Zé Wilson; Alisson Guirra, Serginho (Igor Pato), Caio, Daniel Vargas (Marquinho); Davi, Paulo Renê.
Tecnico: Gauchinho

Compartilhar