Em um jogo incrível, de inúmeras reviravoltas, o Universo/Brasília perdeu para o Mogi das Cruzes/Helbor e ainda amarga a lanterna da competição. Mesmo com toda a raça, vontade e determinação, os donos da casa levaram a virada com apenas 5 segundos para o fim. Mesmo na derrota, Arthur deu show e terminou com o melhor em quadra.

Após o jogo, Rafa Moreira reconheceu a evolução do time e o grande jogo que aconteceu no ginásio da Asceb. “Faltou a última bola, a gente tem que sair de cabeça erguida, independente do resultado. Diferente dos outros jogos, hoje a gente mostrou a cara do nosso time, defensivamente, unido, não tem como lamentar.”, disse.

O destaque do jogo foi Arthur, que comandou o jogo do Brasília. Mesmo com o revés, o ala anotou 24 pontos, 17 somente no segundo tempo de jogo, e foi o cestinha da partida. Além disso, foram 3 rebotes e uma eficiência de 23.

Pelo lado do Mogi, o grande destaque foi Shamell. O maior pontuador da história do NBB fez 17 pontos, aproveitou 5 rebotes e teve uma eficiência de 22.

Primeiro quarto
O Brasília começou o jogo com a posse de bola, mas não conseguiu converter a sua oportunidade e viu o Mogi abrir o placar com pouco mais de um minuto de partida. Melhor postada, a equipe paulista passou a pressionar os brasilienses e abrir o placar, chegando a abrir seis pontos de vantagem, 12×6.

E foi aí que os donos da casa resolveram reagir. Faltando pouco mais de cinco minutos, o Universo virou a partida após uma linda cesta de 3 pontos do capitão Nezinho. Porém, a facilidade durou pouco e logo o Mogi pulou à frente do placar e estourou essa vantagem, finalizando o primeiro quarto com uma margem de dez pontos, 28×18.

Destaque para a lambança entre arbitragem e a mesa dos representantes, que parecem ter se confundido com a velocidade de cestas convertidas e deixaram de anotar um ponto dos visitantes.

Segundo quarto
A segunda parte começou melhor para os donos da casa. Empurrados pela torcida, que compareceu em bom número, o esquadrão da capital começou diminuindo o prejuízo, e marcou cinco pontos em seguida. Muito mais atenta, o BSB continuou engolindo os paulistas. Com pouco mais de 3 minutos para o fim, os comandados de André Germano viraram o jogo com muita propriedade. Além de um ataque avassalador, a defesa também se mantinha intransponível e forçando os erros dos adversários.

A vantagem construída no segundo quarto foi suficiente para encostar, mas ainda não para liderar a partida. Final de quarto: 43×40, para o Mogi. Entre os grandes momentos do time da casa, destaque para a cesta de Graterol no a pouco mais de um minuto para o fim do jogo.

Sentindo o grande momento da equipe, os jogadores da capital subiram a marcação e não deixaram os paulistas construírem a jogada. Pedro Rava interceptou o passe, tocou para Graham que, em velocidade, acionou Graterol. O ala/pivô passou gingou para cima do marcador e só empurrou para anotar mais dois pontos.

Primeiro quarto terminou com vantagem paulista de apenas três pontos: 43×40 – Foto: Thiago S. Araujo/Agência EB

Terceiro quarto
O segundo tempo começou com o Brasília tentando se reerguer na partida e virar o marcador. Até conseguiu chegar bem próximo, novamente, mas o nervosismo de seus jogadores, principalmente de Nezinho, culminaram na retomada dos adversários no quarto e a manutenção da vantagem.

Mas como um grande jogo tem que ser, a disputa se manteve acirrada durante todo o quarto. Faltando 3 minutos para o fim, Graham e Nezinho fizeram grande jogada, tabelando, e veio a virada, o que levantou muito os torcedores presentes no ginásio. Neste momento, 56×55 para o BSB.

A raça e a determinação dos donos da casa conduziam a festa dos presentes e pressionavam o Mogi, que até tentavam, mas a vontade do Universo impedia qualquer ação dos adversários, que só assistiam o passeio brasiliense. Embalados por Arhur, que anotou 12 pontos, fora o baile, o Brasília passeou e fechou a terceira parte do certame com 8 pontos na frente: 63:x55.

Quarto quarto
A última parte do jogo ainda reservava emoções. O Mogi voltou disposto a não desperdiçar as oportunidades, a fim de levar a vitória para casa. Com cerca de 8 minutos para o apito final, Gruber colocou novamente seu time na dianteira. E os times brindaram os 770 presentes com uma partida incrível. Um dos melhores, se não o melhor jogo do Brasília na competição.

Apesar disso, os paulistas conseguiram abrir vantagem e estavam à frente do placar quando o relógio apontava três minutos para o fim. Emoção essa, que perdurou até o zerar do cronômetro. Antes disso, Brasília voltou a vencer parcialmente, com cesta de Graham. Faltando 5 segundos para o jogo acabar, Shamell sofreu falta e converteu os dois tiros livres.

Faltando cinco segundos, o Universo/Brasília teve a chance da vitória, mas acabou vacilando e obteve a 12ª derrota do NBB – Foto: Thiago S. Araujo/Agência EB

Eram os dois pontos que faltavam para a vitória dos paulistas. A posse de bola ainda era dos brasilienses, mas foi o estadunidense que interceptou o passe de Arthur para Nezinho e decretou a derrota do time da casa e ainda anotou mais dois pontos dos visitantes. Final de partida: 76×80.

Encerrada a curta sequência de jogos em casa, o Universo/Brasília viaja para enfrentar o Bauru, que ocupa a sexta colocação, no próximo dia 22. O próximo compromisso do Mogi das Cruzes será, também, fora de casa, contra o Basquete Cearense.

Compartilhar